1. Inclusão Financeira

1. Inclusão Financeira
IMG_20221207_135030

O nosso objetivo é intervir sistematicamente no problema da inclusão financeira no meio rural em contextos onde os bancos comerciais e outras instituições financeiras relutam em prestar os serviços financeiros, dados os diferentes fatores como custos elevados para implementação de agências, via de acesso deficientes, pouca atividade geradora de rendimento e baixa produção, poucos usuários, transações de pequenos montantes a que estão submersas as atividades rurais. A OFEC actua neste pilar através de:

1.1. Financiamento a Áreas Rurais (Microcrédito)

A OFEC opera em comunidades carentes com potencial empreendedor, oferecendo oportunidades de financiamento para diferentes atividades econômicas comerciais de pequeno e médio porte como: comércio, agricultura, pecuária, pesca, entre outras. A OFEC entende as finanças rurais inclusivos como mecanismos rurais de desenvolvimento integrado e elemento crucial na transformação da comunidade.

Compreendendo as limitações dos bancos tradicionais e outras instituições financeiras formais e os limitados recursos do Estado moçambicano, actuamos complementando a acção pública com a iniciativa privada. Dessa forma, promovemos a transformação estrutural que é fundamental para a comunidade, desburocratizando o acesso a financiamentos para atividades de baixa e média renda.

1.2. Literacia Financeira

O baixo nível de alfabetização financeira nas comunidades, por um lado, deve-se ao baixo nível de informação sobre a forma correta de administrar os recursos financeiros. E por outro lado, a baixa socialização financeira desde tenra idade condiciona as formas distorcidas de gestão dos recursos e do capital financeiro dos moçambicanos. Consequentemente, isso resulta em baixo desempenho em suas iniciativas de empreendimento e investimento. Em última análise, condicionam o baixo do PIB per capita.

Como repertório de ajuda, a OFEC promove palestras de literacia financeira nas escolas, comunidades e rádios comunitárias (no idioma local), com o objetivo de mudar a psicologia financeira, aprimorar técnicas de investimento (conhecimento técnico), poupança, gestão de emergência, produtos e serviços financeiros.

1.3. Grupos de Poupança e Crédito Rotativo (GPCR/ASCA)

Devido às fracas iniciativas de gestão financeira (poupança) e à distância para uma instituição financeira (em alguns distritos inexistentes, embora iniciativa presidencial instituída, um distrito um banco) as comunidades precisam de acesso a instituições financeiras, tradicionais ou não, para ajudar a guardar as suas poupanças para a gestão de risco e emergência, construção de moradias, investimentos, entre outros. Desta forma, a OFEC desenvolve uma atividade de gestão financeira conhecida como grupos autogestão. Esta iniciativa é um repertório de gestão, em que as comunidades são aperfeiçoadas para gerir os seus próprios recursos, com base num mecanismo de poupança por elas desenvolvido, assistido pela OFEC.

Estes grupos são geridos totalmente pelas comunidades rurais, os membros integrantes têm a possibilidade de poupar e solicitar empréstimos, cujo são atribuídos de maneira flexível e adicionado uma taxa de juro simbólica em que no final do ciclo, todo o fundo e juros arrecadados é distribuído aos membros de acordo com o valor que cada um economizou e posteriormente o grupo começam o ciclo seguinte.

1.4. Ligação com Instituições Financeiras e Fintech

Em Moçambique existem regiões que nunca tiveram representação bancária e com uma distância entre a 20 km a 100km para uma instituição financeira, e nem com o projeto do governo moçambicano de bancarização rural não foi abrangente e inclusiva visto que beneficiou apenas as populações urbanas, e a população rural é obrigada a guardar dinheiro em lugares inapropriados e inseguros, potencializando as chances de roubo ou até perda quando acontecem fenómenos naturais extremos.

A OFEC desenvolve parceria com instituições financeiras (bancos, microbancos e instituições de microfinanças) para criar acesso a serviços financeiros e incentivar aberturas e movimentação de contas, poupanças, créditos e outros serviços. Igualmente promovemos parcerias com as Fintech e incentivamos o uso de finanças digitais como M-Kesh, E-Mola e M-Pesa para as comunidades com acesso redes telefónicas como alternativas às estruturas financeiras clássicas, permitindo assim que os usuários realizem transações financeiras a partir dos seus telefones celulares e criem reserva para investimentos ou situações de emergência.

Inclusão e Educação Financeira
PT/ENG»